Está insatisfeito com seu servidor de hospedagem? Reclame aqui.

WhatsApp: (33) 9.9946- 1734   Fale Conosco

×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 169

Terça, 01 Novembro 2016 16:00

'Vírus do bem' poderia combater praga que ataca 'internet das coisas'

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Um programador criou um código capaz de atacar dispositivos da "internet das coisas" vulneráveis ao vírus Mirai para corrigir preventivamente esses aparelhos e impedir o ataque pelo vírus. O código foi publicado na semana passada no site "Github" como uma "pesquisa de correção de falhas na internet das coisas" e, após causar polêmica, foi retirado do ar nesta terça-feira (1º).

O Mirai é um vírus que se espalha para sistemas que estejam com senhas fracas ou padrão no painel de administração via "telnet".  O código da praga foi liberado na rede, o que aumentou o número de ataques. Criminosos utilizam o vírus para tomar o controle de câmeras, gravadores digitais de vídeo e outros dispositivos da "internet das coisas", os mais vulneráveis a esse problema de autenticação no telnet, para tirar sites do ar com ataques de negação de serviço.

O programador responsável pelo "vírus anti-Mirai", que usa o nome de "Linsky", explicava na página do código que se trata de um projeto acadêmico e que ele não se responsabiliza pelo uso. Segundo ele, o código poderia ser adaptado para uso por empresas ou provedores que tenham interesse em propagar essa "praga do bem" em sua rede, de maneira controlada, sem permitir que o "vírus" se espalhe por toda a internet. 

Embora o codigo tenha sido retirado do site "Github" onde estava hospedado, o código era basicamente idêntico ao próprio Mirai, que continua disponível.

"Vírus do bem" são também chamados de "vírus benéficos" ou "nemátodos" (um nome proposto pelo especialista em segurança Dave Aitel). A ética para a utilização desses vírus é polêmica. Muitos especialistas não acham correto que esses vírus sejam distribuídos na internet.

Um dos mais antigos vírus desse tipo é o Welchia, propagado em 2003. Na época, ele combateu a disseminação do vírus Blaster, que podia contaminar sistemas com Windows 2000 e XP apenas por eles estarem conectados à internet. O Welchia explorava a mesma falha que o Blaster, mas instalava a atualização do Windows que fechava a vulnerabilidade e também removia o Blaster do sistema, caso ele estivesse presente.

Método de defesa

Pesquisadores da empresa de segurança Invincea também descobriram vulnerabilidades no código do Mirai que poderiam facilitar o trabalho de quem precisa se defender de ataques realizados com o vírus.

Segundo os especialistas, o código de ataque do Mirai pode ser "contra-atacado" de tal maneira que o programa responsável pelo ataque congele, interrompendo o ataque até que o criminoso reinicie a operação.

A ética desse procedimento também é incerta. Embora não cause nenhum dano para o dispositivo e nem chegue a dar acesso ao sistema infectado, o código ainda pode ser visto como "prejudicial". Em entrevista ao site "Threatpost", a Invincea não entrou no mérito da legalidade da tática, mas ressaltou que se trata de uma "área cinza'.

Fonte: http://g1.globo.com/tecnologia/blog/seguranca-digital/post/virus-do-bem-poderia-combater-praga-que-ataca-internet-das-coisas.html

Lido 960 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Pesquisar